1. Usuário
Assine o Estadão
assine


As informações e opiniões expressas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Os tristes palhaços

Daniel Martins de Barros

12 agosto 2014 | 10:42

Do Pierrot, que vivia triste por conta da Colombina na commedia dell’arte já no século XV até o antissocial Krusty, o palhaço distímico e viciado dos Simpsons, a figura do sujeito que expõe a contradição humana ao carregá-la em suas costas é constante. (…) Ainda que não sejam doentes os comediantes caminham na corda bamba, e da mesma forma que o equilibrista nos emocionam justamente por correrem o risco de cair.

“Ouvi uma piada uma vez: Um homem vai ao médico, diz que está deprimido. Diz que a vida parece dura e cruel. Conta que se sente só num mundo ameaçador onde o que se anuncia é vago e incerto.
O médico diz: “O tratamento é simples. O grande palhaço Pagliacci está na cidade, assista ao espetáculo. Isso deve animá-lo.”
O homem se desfaz em lágrimas. E diz: “Mas, doutor… Eu sou o Pagliacci.”

A fala acima, da série de quadrinhos Watchmen, resume bem uma das figuras clássicas da humanidade, a do palhaço trágico. Do Pierrot, que vivia triste por conta da Colombina na commedia dell’arte já no século XV até o antissocial Krusty, o palhaço distímico e viciado dos Simpsons, a figura do sujeito que expõe a contradição humana ao carregá-la em suas costas é constante.

As mortes do ator Robin Willians e do também humorista Fausto Fanti, ambas provavelmente por suicídio, são a face mais trágica de uma condição que se comprova mais comum do que imaginamos, segundo um estudo publicado nesse ano. Nada menos do 523 comediantes foram convidados a preencher uma escala de sentimentos e experiências que avalia sintomas próximos do transtorno bipolar e da esquizofrenia: (a) Experiências inusitadas – como pensamento mágico, crença em telepatia e outras distorções da percepção; (b) Desorganização cognitiva – distraibilidade e dificuldade em focar os pensamentos; (c) Anedonia introvertida – capacidade reduzida de sentir prazer social ou físico, incluindo aversão à intimidade; e
(d) Não-conformismo impulsivo – tendência à impulsividade e reduzido autocontrole. Como comparação, 364 atores e 831 não artista também responderam às perguntas. Os resultados mostraram não só que os comediantes obtêm pontuações mais altas do que a população geral em todos os aspectos, como também vão além dos atores, levando tais características ao limite. Ainda mais significativo, ao contrário dos atores os humoristas apresentavam ao mesmo tempo altos níveis nas dimensões de anedonia e de impulsividade, o que para os pesquisadores é um paradoxo: uma apontaria para introversão e depressão, a outra para extroversão e euforia. Parece que para fazer rir é preciso ter uma personalidade parecida com a antigamente denominada psicose maníaco-depressiva.

De fato a capacidade de juntar elementos distintos é uma característica da criatividade, mas também das psicoses. Já a habilidade de fazê-lo de forma surpreendente e rápida é central para o humor, mas surge igualmente nos episódios maníacos. Sendo assim, o dom de criar piadas parece ser mais fácil para as pessoas que vivem perigosamente próximas tanto da psicose como dos picos e vales do humor. Ainda que não sejam doentes os comediantes caminham na corda bamba, e da mesma forma que o equilibrista nos emocionam justamente por correrem o risco de cair.

ResearchBlogging.org
Ando V, Claridge G, & Clark K (2014). Psychotic traits in comedians. The British journal of psychiatry : the journal of mental science, 204, 341-5 PMID: 24434072

As informações e opiniões expressas neste blog são de responsabilidade única do autor.