1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Entenda a pré-diabete, condição que atinge 40 milhões de brasileiros

- Atualizado: 06 Março 2016 | 07h 01

Estágio antes da doença é comum em pessoas com circunferência abdominal aumentada

Estima-se que 40 milhões de brasileiros sejam pré-diabeticos

Estima-se que 40 milhões de brasileiros sejam pré-diabeticos

A diabete é uma doença grave e que preocupa muitas pessoas atualmente. O período de desenvolvimento é de 10 anos e, durante esse tempo, é comum que as pessoas entrem no estágio da pré-diabete, caracterizado pelo índice glicêmico em jejum entre 99 e 127. O precedente da doença também é importante e precisa ser tratado, antes que evolua para a diabete. 

"Em geral, pessoas que tem pré-diabete são aquelas que estão acima do peso e têm risco de desenvolver diabete tipo 2", explica o endocrinologista do Hospital Israelita Albert Einstein, Rogério Silicani. Além disso, o especialista afirma que, normalmente, o estágio está relacionado ao aumento de gordura, especialmente a abdominal. 

Estima-se que para cada diabético, três pessoas estejam na condição de pré-diabete, isto é, aproximadamente 40 milhões de brasileiros. Apesar do número elevado, o coordenador do Centro de Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Ricardo Cohen, afirma que poucas pessoas que estão nesse estágio têm conhecimento.

Pessoas com circunferência abdominal aumentada têm tendência a desenvolverem pré-diabete

Pessoas com circunferência abdominal aumentada têm tendência a desenvolverem pré-diabete

Há alguns fatores de risco que podem levar pessoas a desenvolverem a pré-diabete, como genética favorável para desenvolver diabete, já ter tido índices elevados de glicemia, mulheres que tiveram diabete gestacional ou filhos com mais de 4 kg, ter circunferência abdominal aumentada, ser hipertenso, sedentário ou ter mais de 40 anos. 

Para descobrir que está no estágio de pré-diabete, é preciso verificar o índice glicêmico. "É comum descobrir em exames de rotina", explica Cohen. O endocrinologista do Albert Einstein alerta que, embora o exame dê o diagnóstico, possuir fatores de risco já é motivo para se preocupar. 

Não há sintomas para a pré-diabete, a única mudança que pode acontecer no corpo é a <<acantose nigricans>>, ou seja, a pigmentação das dobras do corpo aumenta. Isso acontece devido à resistência de insulina, comum em pessoas com excesso de gordura abdominal. 

"Embora a pré-diabete não seja uma doença, é um estado ligado a um maior risco cardiovascular", diz Silicani, que apresenta esse como mais um fator para se preocupar com os altos índices glicêmicos. O médico do Hospital Oswaldo Cruz também alerta sobre riscos dessa condição: entre 10% e 15% dos pacientes pré-diabéticos já podem ter lesões no rim, na retina e nos nervos.

Para prevenir que o estágio evolua para a diabete, é preciso ter uma vida saudável. De acordo com o Silicani, a meta deve ser diminuir entre 5% e 7% do peso corporal e fazer 150 minutos de atividades físicas por semana. 

Seis mitos sobre a diabetes
Victor/ Creative Commons
Diabetes

O diabetes é uma doença crônica que atinge 13 milhões de brasileiros, de acordo com o Ministério da Saúde. Ela ocorre quando a insulina não é suficiente ou não consegue agir de maneira adequada para metabolizar o açúcar presente nos alimentos e transformá-lo em energia, resultando no excesso de glicose na corrente sanguínea

Tomar remédios para controlar a evolução da pré-diabete também é importante. "Para um diabético, as mudanças não freiam a doença, apesar de atenuarem, mas um pré-diabético pode evitar a diabete", frisa Cohen sobre a importância de se cuidar. 

Para pacientes obesos com essa condição, a cirurgia bariátrica diminui em oito vezes as chances de o estado evoluir para diabete tipo 2. 

Silicani reforça que a alimentação saudável e a prática de esportes não é recomendada apenas para pessoas com pré-diabete, mas para todos. "A maior parte das pessoas tem dúvida de como montar uma refeição ideal: primeiro, ter as três refeições principais, café da manhã, almoço e jantar. E dividir o prato em quatro partes, um quarto carboidratos, um quarto proteínas e o resto deve ser divididos entre legumes, verduras e salada", explica.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em Vida & EstiloX