1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Muito impacto, pouca obra

Uma casa alugada pode, sim, ficar com o estilo do morador. Renovar acabamentos e escolher o móvel certo mudam tudo

Natália Mazzoni

05 Julho 2014 | 22h 00

 

Uma casa para chamar de sua, mesmo que ela não esteja em seu nome – o importante é que você se sinta, de fato, em casa. Alugar um imóvel traz algumas limitações para quem tem a casa dos sonhos em mente, não só pelo investimento necessário para a reforma, mas também porque qualquer obra exige autorização do proprietário. Mas, para ter um lar agradável, não é preciso fazer grandes gastos. Uma boa pintura, soluções espertas de decoração e outros macetes são capazes de mudar a cara de qualquer lugar. 

Para quem tem orçamento, intervenções na planta podem valer a pena. “Antes de fazer qualquer obra no imóvel, é preciso pedir autorização do proprietário. Se ele aprovar o projeto, pode concordar em abater parte do aluguel. Obras de benfeitoria, como a manutenção de um piso muito velho, são geralmente aceitas. O ideal é negociar antes de assinar o contrato, depois sempre fica mais difícil”, aconselha José Eduardo Cazarin, fundador da Axpe Imóveis Especiais.

A blogueira Ana Medeiros, criadora do A Casa que Minha Vó Queria, mora em uma casa alugada, mas o lugar já tem a cara de sua família. Com o marido, que adora colocar a mão na massa, ela aos poucos criou soluções simples para resolver alguns problemas. Pintou parede, fez móveis sob medida, repaginou outros. “Sonho com um quintal de grama verde e uma rede na varanda. Mas, mesmo sem esses dois desejos realizados, me sinto muito bem onde moro. Tudo foi decorado em várias tardes em família, e nos sentimos confortáveis em qualquer cômodo”, conta.

Feitas algumas mudanças na casa, na hora de partir para outra, tenha certeza de que tudo está de acordo com o contrato, com buracos tampados e estruturas em bom estado. “Como na mudança o mobiliário acompanha você, invista tempo escolhendo peças que não sejam muito grandes e possam ser acomodadas em outros espaços”, recomenda Mariane Cunha, sócia da empresa de serviços de reforma Ah!Sim.

Um pouco de tinta

Apartamento não precisa de muitas obras, mas ganhou reparos para receber a família

Hélvio Romero

Um apartamento de 205 m² no Itaim-Bibi não precisava de grandes obras para receber a família que estava prestes a crescer. No início da gestação de seu segundo filho, a cliente do escritório Lucchesi & Razuk tinha pressa, queria que tudo estivesse pronto para a chegada do bebê. Por sorte, o apartamento estava em ótimo estado e só precisava de alguns ajustes para que coubesse perfeitamente nos hábitos, e estilo, dos moradores. “Não fizemos nenhuma grande obra. Pintamos as paredes do living usando textura de cimento queimado, o que já transformou o lugar. A porta de entrada e a do elevador também receberam outra cor, verde-oliva”, diz Carolina Razuk.

O grande móvel que abriga a TV, livros e outros adornos já estava no imóvel, mas era escuro demais para a nova decoração, repleta de colorido. A solução foi relativamente barata e simples, e se deu na instalação de um painel de laca branca no fundo do móvel.

O piso de cumaru foi lixado, para ganhar aspecto de novo. A varanda, ponto alto da casa, ganhou atenção especial, mas também sem grandes modificações. “Reformamos um sofá antigo, que seria descartado. Trocamos o estofado e o tecido e a peça virou um dos xodós do projeto”, conta Carol. Na área da churrasqueira, os proprietários investiram em azulejos coloridos, assinados pela designer Calu Fontes. “Esse item é totalmente substituível por adesivos, no caso de um orçamento mais reduzido”, aconselha a arquiteta.

No quarto das crianças, a cama feita sob medida tem nichos que acomodam caixas de plástico para os brinquedos. Na suíte do casal, a marcenaria existente foi pintada de azul, o mesmo tom usado para repaginar os criados-mudos antigos da proprietária. Como o apartamento não tinha um cômodo para o escritório, a pequena varanda do dormitório foi usada para abrigar o computador e uma pequena geladeira. 

 

Até parece outro lugar

Com pouca, ou nenhuma obra, ambientes mudam completamente

Divulgação

 

Quem entra na sala desta casa nos Jardins não imagina que, antes de algumas modificações serem feitas pela empresa de serviços de reforma Ah! Sim, o lugar era apenas uma sala escura. Mas bastou uma nova pintura, recuperar piso e rodapé e criar pontos de luz para que o lugar se tornasse outro, completamente diferente, mas com a mesma estrutura. “Substituir ou renovar acabamentos causa um grande impacto no ambiente”, afirma a arquiteta Mariane Cunha, uma das responsáveis pela obra. Na sala de jantar, que também precisou de retoques, revestimentos naturais e móveis de madeira clara colaboram para iluminar o ambiente.

Para a arquiteta Marina Carvalho, nem sempre é preciso investir muito para deixar o espaço com cara nova. A varanda sem graça do apartamento do Morumbi repaginada por ela não precisou de obras. Ganhou marcenaria para abrigar um bar e painel de madeira para vasos. Outro lugar que precisava de uma forcinha estava na Vila Mariana. A sala de jantar de paredes beges não tinha nada a ver com o estilo dos moradores, mas cores novas nas paredes e móveis mais descolados transformaram o ambiente.

Mudanças também foram feitas no apartamento da Sarah Blue, de 21 anos. Ela fazia questão de ter uma parede para os amigos deixarem recados e uma decoração divertida, como sua personalidade. E não precisou de muitos móveis para dar o tom: “Gosto de ter espaço para circular e sentar no chão. Escolhi móveis de que realmente preciso, em versões compactas.”

No quarto alugado de Mariana Lopes a falta de espaço era o problema. Para ela, o lugar não tinha jeito. Mas, em uma parceria entre as marcas Farm e Oppa, o cômodo, em uma casa no Rio, renasceu. Tecidos na parede deram cor e a cama suspensa abriu espaço para a escrivaninha. Tudo em 4,60 m². Prova de que qualquer lugar, novo ou antigo, grande ou pequeno, tem jeito, sim. 

Dicas para personalizar

Mudança

Em uma locação, tempo é dinheiro. Evite comprar peças que demandam tempo logo de entrega

Mobiliário

Prefira itens com medidas padrão. Peças muito grandes podem ser um problema se você trocar o imóvel por um menor 

Para facilitar

Não quer ter muito trabalho na hora de devolver o imóvel? Evite papel de parede, argamassa ou furos muito radicais. Prefira tinta à base d’água e peças que não precisam ser penduradas 

Para investir pouco

Papéis de parede e tinta texturizadas podem dar trabalho na hora de deixar o imóvel exatamente como você encontrou, mas valem a pena para quem quer passar alguns anos com a estampa que adora pela casa. Tapetes podem escondem falhas no piso. Antes de investir em um, faça um orçamento para descobrir se vale a pena: em lugares muito pequenos pode sair mais barato repaginar o chão

Sem tinta

Abuse dos adesivos naquele armário ou azulejo sem graça. Eles são fácies de usar e permitem que você crie algo só seu. Mas saiba que depois de removidos você vai ter algum trabalho para tirar a cola remanescente 

Seja criativo

Não tem box no banheiro? Escolha uma charmosa cortina de plástico. O piso do apartamento é antiquado? Cubra-o com vinílicos de encaixe, aqueles que não precisam de cola. Não tem quintal? Use grama sintética na varanda 

Cozinha

Aposte em prateleiras. Elas podem ir para a sala ou para o quarto em uma nova casa 

Acessórios

Escolha puxadores legais que possam ser retirados no fim do contrato. Almofadas, quadros e luminárias fazem a diferença 

Novo outra vez

Restaurar móveis antigos pode ser uma boa opção para quem quer renovar o ambiente da casa alugada

Divulgação

Sim, todo móvel velho tem seu jeito. Lixa daqui, pinta dali, troca de pés e puxadores e, com um pouco de tempo e esforço, a peça está como nova. “Livre de cupim, qualquer móvel pode ser reformado”, diz Patricia Mazetto, do Studio Mazetto, uma casa charmosa na Pompeia cheia de peças que ganharam outra chance. A penteadeira cereja, por exemplo, estava abandonada. Mas, depois de pintada e lixada, com tecido nas gavetas e fita em volta do espelho, ficou com cara de nova em folha.

Ana Medeiros, criadora do blog A Casa que Minha Vó Queria, adora dar outra chance, e novos usos, aos móveis que encontra. Criou o blog justamente depois de mudar para uma casa nova, na cidade de Gravatá (PE) e ter de buscar soluções que não extrapolassem o orçamento apertado. Para decorar a sala de estar, instalou ela mesma papel de parede, pintou mesa lateral, luminárias e acompanhou a produção do sofás pelo marceneiro. “Adoro reformar coisas para usar na decoração. Até móvel com pé quebrado tem jeito. Outro dia postei no blog um passo a passo de como laquear móveis, processo que costuma custar caro, mas é possível de fazer em casa”, conta. 

A artista plástica Veronica Kraemer abriu as portas de seu ateliê, o Além da Rua, para mandar para novos lares os móveis e objetos velhos que garimpa por São Paulo e transforma usando tinta látex, sua preferida para trabalhar. “Algumas peças que peguei em caçambas estavam tão ruins que nem eu acreditava que poderiam ter cara de novas. Mas o processo, quando bem feito, é capaz de transformar. Cada etapa pode ser trabalhosa, é preciso paciência.”

O conceito de que as coisas deveriam ser menos descartáveis foi o que incentivou a empresária Tania Grimaldi a mudar de profissão e investir no Casa Grim, ateliê de restauração de móveis em Pinheiros. “O essencial é identificar o melhor de cada peça e tirar proveito disso. Minha dica é restaurar aquilo que tem valor afetivo, como um móvel herdado da família ou algo que você comprou com seu primeiro salário. Restaurar um móvel é um processo artesanal que envolve muito trabalho, demora. Portanto, escolha a dedo o que merece essa dedicação”, aconselha. 

 

Para fazer em casa

Primeiro passo
Sempre lixe a peça antes de começar. Um móvel que recebeu pintura antes de ser lixado sempre acaba descascando

Avaliação
Cupins são os maiores inimigos da restauração. Se forem poucos, vale a pena tentar exterminá-los, senão, parta para outro projeto

Estado
Móveis com madeira empenada exigem mais investimento, já que a superfície curvada terá de ser trocada 

Material
Tintas à base de água secam mais rápido e não têm cheiro forte. Se optar por tinta spray, use uma máscara de proteção e tome cuidado com os móveis ao redor, já que ela se espalha facilmente no ar

Serviço:
Ah! Sim: www.ahsim.com.br 
A Casa que Minha Vó Queria: www.acasaqueminhavóqueria.com.br 
Além da Rua Atelier: www.alemdaruaatelier.com.br 
Casa Grim: www.facebook.com/CasaGrim
Lucchesi & Razuk: www.lucchesirazuk.com
Marina Carvalho: www.marinacarvalho.com.br 
Studio Mazetto: www.studiomazetto.com.br

  • Tags: