1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Novo outra vez

Natália Mazzoni - O Estado de S. Paulo

05 Julho 2014 | 22h 00

Restaurar móveis antigos pode ser uma boa opção para quem quer renovar o ambiente da casa alugada

Divulgação
Poltrona e bancos ganharam reparos na estrutura e tecidos novos na Casa Grim

Sim, todo móvel velho tem seu jeito. Lixa daqui, pinta dali, troca de pés e puxadores e, com um pouco de tempo e esforço, a peça está como nova. “Livre de cupim, qualquer móvel pode ser reformado”, diz Patricia Mazetto, do Studio Mazetto, uma casa charmosa na Pompeia cheia de peças que ganharam outra chance. A penteadeira cereja, por exemplo, estava abandonada. Mas, depois de pintada e lixada, com tecido nas gavetas e fita em volta do espelho, ficou com cara de nova em folha.

Ana Medeiros, criadora do blog A Casa que Minha Vó Queria, adora dar outra chance, e novos usos, aos móveis que encontra. Criou o blog justamente depois de mudar para uma casa nova, na cidade de Gravatá (PE) e ter de buscar soluções que não extrapolassem o orçamento apertado. Para decorar a sala de estar, instalou ela mesma papel de parede, pintou mesa lateral, luminárias e acompanhou a produção do sofás pelo marceneiro. “Adoro reformar coisas para usar na decoração. Até móvel com pé quebrado tem jeito. Outro dia postei no blog um passo a passo de como laquear móveis, processo que costuma custar caro, mas é possível de fazer em casa”, conta. 

A artista plástica Veronica Kraemer abriu as portas de seu ateliê, o Além da Rua, para mandar para novos lares os móveis e objetos velhos que garimpa por São Paulo e transforma usando tinta látex, sua preferida para trabalhar. “Algumas peças que peguei em caçambas estavam tão ruins que nem eu acreditava que poderiam ter cara de novas. Mas o processo, quando bem feito, é capaz de transformar. Cada etapa pode ser trabalhosa, é preciso paciência.”

O conceito de que as coisas deveriam ser menos descartáveis foi o que incentivou a empresária Tania Grimaldi a mudar de profissão e investir no Casa Grim, ateliê de restauração de móveis em Pinheiros. “O essencial é identificar o melhor de cada peça e tirar proveito disso. Minha dica é restaurar aquilo que tem valor afetivo, como um móvel herdado da família ou algo que você comprou com seu primeiro salário. Restaurar um móvel é um processo artesanal que envolve muito trabalho, demora. Portanto, escolha a dedo o que merece essa dedicação”, aconselha. 

 

Para fazer em casa

Primeiro passo
Sempre lixe a peça antes de começar. Um móvel que recebeu pintura antes de ser lixado sempre acaba descascando

Avaliação
Cupins são os maiores inimigos da restauração. Se forem poucos, vale a pena tentar exterminá-los, senão, parta para outro projeto

Estado
Móveis com madeira empenada exigem mais investimento, já que a superfície curvada terá de ser trocada 

Material
Tintas à base de água secam mais rápido e não têm cheiro forte. Se optar por tinta spray, use uma máscara de proteção e tome cuidado com os móveis ao redor, já que ela se espalha facilmente no ar

Serviço:
Ah! Sim: www.ahsim.com.br 
A Casa que Minha Vó Queria: www.acasaqueminhavóqueria.com.br 
Além da Rua Atelier: www.alemdaruaatelier.com.br 
Casa Grim: www.facebook.com/CasaGrim
Lucchesi & Razuk: www.lucchesirazuk.com
Marina Carvalho: www.marinacarvalho.com.br 
Studio Mazetto: www.studiomazetto.com.br

  • Tags: