1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Cura de uma separação

- Atualizado: 09 Janeiro 2016 | 06h 00

Apegue-se a pessoas que lhe darão apoio e ajudarão a superar esta fase difícil

Quando terminamos um relacionamento, lamentamos a perda com rejeição, ira, tristeza e, finalmente, aceitamos o fato.

São as cinco etapas da dor descritas por Elizabeth Kubler-Ross, que tive a felicidade de ter como professora. Ela foi a pioneira de estudos sobre morte e transição e viu que pessoas com doenças terminais, como também seus familiares, vivem essas emoções. Similarmente, choramos o fim de qualquer relação mais estreita.

Inicialmente você pode se sentir bem quando "sai" da relação, mas, se era um relacionamento antigo, vai perceber que a alegria inicial é substituída rapidamente pela saudade da pessoa com quem se relacionava e da vida que compartilhavam.

Quando terminamos um relacionamento, lamentamos a perda com rejeição, ira, tristeza e, finalmente, aceitamos 

Quando terminamos um relacionamento, lamentamos a perda com rejeição, ira, tristeza e, finalmente, aceitamos 

Imagine que os últimos 20 anos não aconteceram. Sua vida e tudo que você construiu acabaram ou perderam valor, porque não há ninguém mais com quem partilhar. Não importa quanto você ganha e que tipo de acordo conseguiu com o seu ex-companheiro. O que está sentindo é a privação da energia da pessoa amada do seu coração e psique. E esta é uma das coisas mais dolorosas na vida.

Um vazio foi criado no seu coração e você tem ânsia de preenchê-lo. Mas necessita de um tempo antes de se envolver novamente. Arranjar um substituto provoca rapidamente um forte entusiasmo, que também acaba rapidamente. Este é o momento em que você tem de estar com as pessoas que mais a amam. Apegue-se a pessoas que lhe darão apoio e ajudarão a superar esta fase difícil.

Se está atravessando um divórcio ou qualquer ação legal, seja sensato e busque uma terapia. A dor associada ao divórcio pode durar anos, mas você pode cortar o mal pela raiz tendo o apoio emocional correto. Mas se procurar conselho, certifique-se de que escolheu um terapeuta licenciado com experiência nesta área. Você precisa de alguém que compreenda a natureza deste tipo de tormenta emocional. 

É também importante lembrar que rejeição é uma forma de proteção. Em outras palavras, talvez a pessoa que você deixou não fosse a certa para você e poderia fazê-la sofrer ainda mais no futuro. Quando tiver tempo para refletir sobre isto, verá que as coisas não seguiam na direção que desejava. Às vezes é difícil acreditar que há um significado mais profundo quanto ao que ocorreu com você, mas ao aceitar isto, você conseguirá curar suas feridas mais facilmente.

A leitura também é útil e existem milhões de livros publicados sobre este assunto. Um dos meus favoritos é o de Peter McWilliams intitulado Como sobreviver à perda de um amor. Se achar que não é ideal para você, peça sugestões para outras pessoas, ou vá a uma livraria e veja o que o atrai mais. 

Ao ler, novas ideias e uma nova energia vão direto para o seu cérebro. E você terá de colocar em prática o que está aprendendo.

Todos nós sofremos com separações, mas isto não quer dizer que é mais fácil. Chore sua tristeza e extravase sua dor. Você pode se surpreender com a felicidade que surge e irá substituí-la.

Barton Goldsmith é psicoterapeuta em Westlake Village, é autor de The Happy Couple: How to Make Happiness a Habit One Little Loving Thing at a Times

Tradução de Terezinha Martino

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em Vida & EstiloX