1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Testosterona em baixa

Ciça Vallerio - O Estado de S.Paulo

23 Maio 2009 | 22h 38

A andropausa está relacionada à queda da produção hormonal e afeta a qualidade de vida do homem

Enquanto todas as mulheres, sem exceção, vivem a menopausa, estima-se que apenas 15% dos homens sentem os efeitos da andropausa. Este é o termo popular para Deficiência Androgênica do Envelhecimento Masculino (DAEM) ou para hipogonadismo tardio, e refere-se à queda da produção de testosterona, hormônio sexual masculino.

"Diferentemente da realidade feminina, não são todos os homens que vão apresentar alteração hormonal, a ponto de causar desconforto e piora na qualidade de vida", ressalta o urologista Celso Gromatzky, do Núcleo Avançado de Urologia do Hospital Sírio Libanês. "Por isso que a andropausa só é detectada com exame de sangue e avaliação minuciosa, pois a baixa de testosterona pode estar associada a outros problemas."

A andropausa - ou DAEM - pode surgir a partir dos 50 anos e apresenta os seguintes sintomas: perda de libido, disfunção erétil, redução da massa muscular e da força física, aumento da gordura corporal, perda óssea, diminuição da vitalidade e depressão (leia quadro na página ao lado). No entanto, a redução na produção de testosterona também pode estar relacionada a fatores como sedentarismo e estresse.

É possível também associar a baixa de testosterona a causas pontuais, como um acidente, por exemplo, que afete os testículos - principais glândulas produtoras do hormônio - ou uma má-formação congênita. Ou, ainda, alterações na hipófise, glândula que produz hormônios. Entram também na lista viroses como a caxumba na fase adulta, que pode atrofiar os testículos.

"É muito comum haver homens com varicocele, ou seja, varizes na bolsa escrotal, que são responsáveis não somente pela baixa produção de testosterona como também por infertilidade", avisa o endocrinologista Elsimar Coutinho.

A única solução para amenizar os efeitos da andropausa e a baixa de testosterona, causada por fatores adversos, é a reposição hormonal. A boa notícia é que, ao contrário do que se imaginava, receber uma carga extra de hormônio masculino não aumenta o risco de câncer na próstata. Esta descoberta foi divulgada por publicações científicas internacionais no fim do ano passado, e foi aceita pela Sociedade Internacional de Andrologia, Sociedade Internacional para o Estudo do Homem Idoso e as sociedades europeia e americana de urologia.

"Foi uma excelente notícia para aqueles que, como eu, defendem a reposição da testosterona", comemora Coutinho. Mesmo assim, deve-se adotar esse recurso com parcimônia, no que diz respeito à dosagem e ao controle. E o tratamento só deve ser indicado para aqueles que não têm predisposição para desenvolver câncer na próstata, ou seja, que não apresentam histórico na família.

A ideia de que a reposição do hormônio está relacionada a câncer de próstata surgiu a partir do método usado para o controle da própria doença. Conforme explica o urologista Gromatzky, para bloquear o desenvolvimento do câncer de próstata em estágio avançado, ou seja, com metástase, era preciso interromper a produção de testosterona. Por indução, passou-se a acreditar que o hormônio "alimentava" esse tipo de câncer. "Essa teoria ganhou tanta força que virou quase um dogma."

Quando o empresário Marco Antonio Damiani, de 59 anos, foi orientado por seu médico a fazer reposição de testosterona, não aceitou de primeira. "Sempre lia que testosterona poderia desenvolver câncer de próstata", justifica. Ele descobriu seu quadro por acaso, quando levou sua esposa ao endocrinologista, por conta dos efeitos da menopausa. O médico sugeriu que ele também fizesse checagem da dosagem hormonal. O resultado apontava para um processo inicial de andropausa.

Como muitos homens, Damiani acreditava que sintomas como cansaço e perda de memória e libido eram naturais na sua idade - o que não é mentira, mas podem se agravar com a baixa produção do hormônio masculino.

Há cinco anos, o empresário faz a reposição hormonal. "Os benefícios não se resumem à performance sexual: melhorei também a disposição física e memória. Agora estou fazendo exames sempre, para monitorar a dosagem hormonal. Passei a realizar também exames de próstata. Além de estar melhor no geral, me cuido mais."

Quem recebe reposição hormonal deve fazer avaliações periódicas, pois existem reações adversas à testosterona. A principal é a poliglobina (excesso de glóbulos vermelhos), que provoca viscosidade no sangue e acaba prejudicando a circulação. Consequentemente, aumenta-se o risco de derrame (acidente vascular cerebral) e doenças cardiovasculares.

Por isso, a dosagem hormonal deve ser bem controlada, independentemente do método usado. O mais comum no País é a injeção intramuscular de longa duração, com aplicação a cada 12 semanas, e de curta duração, a cada 2 semanas.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo