1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Banco de Tecido oferece sobras de material a 35 reais o quilo

- Atualizado: 22 Junho 2015 | 17h 39

Criado pela figurinista Lu Bueno, o espaço na Vila Leopoldina foca no reaproveitamento de tecidos usados para evitar o desperdício e desenvolver uma cadeia de produção sustentável

Amostras de tecido na parede do Banco, na Vila Leopoldina: economia criativa

Amostras de tecido na parede do Banco, na Vila Leopoldina: economia criativa

"Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma." E na moda também. Com essa ideia em mente, a figurinista e cenógrafa Lu Bueno criou, em janeiro deste ano, o Banco de Tecido - uma loja apenas com sobras de boa qualidade de materiais já usados por ela e outros colegas de profissão."Sempre guardei o que restava e, quando vi, tinha quase uma tonelada de tecidos acumulada", conta Lu, que já soma 25 anos de carreira. "Comecei a trocar com alguns amigos e então percebi que tinha um bom negócio em mãos."

A figurinista Lu Bueno, criadora do Banco de Tecido: "Sempre guardei o que restava e, quando vi, tinha quase uma tonelada de tecido acumulada", conta

A figurinista Lu Bueno, criadora do Banco de Tecido: "Sempre guardei o que restava e, quando vi, tinha quase uma tonelada de tecido acumulada", conta

Acostumada ao mundo das artes - ela já trabalhou com grupos como Parlapatões e com os diretores Gerald Thomas e Antunes Filho -, a figurinista decidiu profissionalizar-se e fazer um curso de empreendedorismo no Sebrae antes de abrir o negócio. Montou o Banco de Tecido em seu estúdio no bairro da Vila Leopoldina, em São Paulo, onde as sobras ficam disponíveis em prateleiras e caixas plásticas e são vendidas por 35 reais o quilo (independentemente de ser de seda pura ou algodão).

"Além do preço, a vantagem é que o acervo conta com materiais exclusivos e antigos, que não podem ser encontrados no comércio tradicional", afirma Lu. Entre os clientes do banco, estão jovens estilistas, costureiras e figurinistas. Para criar um ciclo sustentável, os consumidores também podem ser doadores de sobras e, inclusive, trocá-las por créditos para serem usados na loja. “Evitar o desperdício é um dos pontos-chave do consumo consciente", afirma Helio Mattar, presidente do Instituto Akatu. "Para isso, deve-se fazer o uso integral dos recursos e estender ao máximo a vida útil 

de qualquer produto, modificando o seu uso e aproveitando ao máximo os materiais usados originalmente."

Banco de Tecido
SERGIO CASTRO/ESTADÃO
Banco de Tecido

Lu Bueno na sala em que são guardados os tecidos: tudo é organizado por cores e estilos

Peças etiquetadas

Com a intenção de expandir o projeto, Lu criou um selo, que batizou de 'Tecido de reúso para uso'. "A ideia é que os criadores coloquem a etiqueta na peça feita com nosso tecido, pois, mais do que lucrar, quero vender a ideia da importância da reutilização", diz Lu.   

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em Vida & EstiloX